Quinta-feira, 27 de Junho de 2013

Conheça a história da irmã Maria Jesus Aparício Llata

Maria Jesus Aparício Llata é missionária da ordem das Irmãs Dominicanas do Rosário nasceu em Santander, Espanha, tem 80 anos de idade e está há 30 anos a viver em Timor-Leste.

 

 

A irmã Maria Jesus chegou a Timor num navio português em 1957 e foi logo trabalhar no Oecussi. Nesses primeiros anos as missionárias alfabetizaram centenas de crianças e muitos dos ex-alunos das Missionárias Dominicanas do Rosário estão hoje a trabalhar como professores em várias escolas de Oecussi. Esta irmã missionária foi também a primeira mulher, naquela época, a conduzir um carro em Timor, percorrendo centenas de vezes as estradas acidentadas do Oecussi .

 

No dia da invasão, em 1975, teve que sair do convento de Oecussi antes da chegada das tropas indonésias e na fuga conseguiu ainda salvar a estátua da Virgem do Rosário, a padroeira da Congregação, escondendo-a num dos troncos retorcidos duma grande árvore de magnólia.

 

Regressou a Timor-Leste em 2000, após o conflito de 1999, e foi confrontada com um cenário de cinzas e destruição. Mas, com força e coragem, começou a reconstruir o trabalho da missão, com o objectivo de apoiar a educação humana e cristã dos timorenses na jovem nação Timor-Leste.

 

Hoje, a missão tem 63 alunas e procura formar jovens mulheres profissionais, perspicazes e responsáveis.

 

 

No ano passado, no âmbito da visita do Presidente Taur Matan Ruak ao projecto de desenvolvimento da cooperação espanhola, as alunas das irmãs dominicanas surpreenderam tudo e todos quando para receber a comitiva do presidente decidiram tocar a 9ª Sinfonia de Beethoven, também conhecida como o hino da alegria.

 

Resultado, nem o Presidente, nem qualquer outro dos presentes podia acreditar no que estava a ouvir e ver e numa reacção impulsiva de surpresa e espanto, o Presidente Taur Matan Ruak levantou-se da cadeira e gritou várias vezes: Incrível, Incrível, Incrível.

 

Maria Jesus construiu assim uma vida dedicada ao serviço dos outros, principalmente aos pobres e aos sem-abrigo. Apesar de sofrer de Alzheimer ainda conta histórias que reflectem a sua grande sensibilidade.

 

 

Fontes:

Artigo da autoria de Javier Calviño Pazos, Coordenador da AECID e de Fernando Velázquez Cortés, Director do Programa LUPADE


publicado por sapotl às 22:28
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

post foun

Pasatempu "TT Toke Stars"

Passatempo "TT Toke Stars...

Reuniaun komunidade portu...

Regulamento do Passatempo...

Regulamentu hosi Pasatemp...

Ami Muda Ona Fatin

II Semináriu kona-ba Dire...

II Seminário sobre Direit...

Lusoafinidades - Concerto...

Luke Alkatiri felicita o ...

arquivos

Junho 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds